Assombro

Casa Inabitada

De quando cai a ficha que

tudo que você dissera

e tudo que você escrevera

foi lido como algo ruim.

Desta sorte, resta calar.

View original post

Advertisements
Standard

Quem Faz a Gente?

Meu Copo Meio Cheio

a estrada da vida - Elliott Erwitt

Você pode viajar por todo o mundo e permanecer no mesmo lugar.

Pode ler centenas de livros e continuar com os mesmos pensamentos.

Pode conhecer diversas pessoas e ainda querer falar sobre um único assunto.

Pode assistir milhares de filmes e ainda enxergar tudo da mesma maneira.

Pode ver diferentes culturas e continuar com todas suas certezas.

É que quem permite que a nossa visão seja diferente, que a nossa perspectiva seja inovadora, que as nossas ações sejam humildes, que as nossas certezas sejam relativizadas é somente a gente.

Você pode ver o mundo e não se abrir para ele e Você pode ver o mundo e receber ele.

View original post

Standard

Pio

Poemasemfoco

Mãos unidas numa prece
Um passarinho fugiu da arapuca
Outra dúzia foi ferida pela fera fatal
O céu é abertamente azul aos olhos puros
Alguns não avançam além do feto

Toda vida é uma aresta
Pela fresta das nuvens vem um sol moribundo
Deus tem andado sisudo
Ouço a barba postiça roçando as nuvens
Ímpias, longínquas…

Qual Bombril areando superfícies foscas
Panelas vazias e ocas
Maxilares arqueados e famintos

Uma criança morreu inocente
Três pares de mãos cobrem as vistas, boca e ouvidos divinos
A flor rodopia num sentido
O mundo é belo por um fio

Tenho febre de Deus.

28/06/2014

View original post

Standard

Carta aberta aos meninos da seleção

Mariel Fernandes

Meninos, saibam que eles chegam, devidamente acompanhados de suas certezas absolutas, Estão por todos os lados, os que sempre sabem exatamente o que fazer, como agir, o que falar. Eles tem um mantra: “eu avisei”. Não tremeriam diante de um adversário mais poderoso, mais preparado e melhor. Nem gaguejam, não tropeçam no cadarço, não têm tatu no nariz. Ele têm direito à vaia porque jamais esquecem de nada, se antecipam e são precavidos. Ninguém sabe como conseguem ter as rotas todas impressas, as conversas repassadas. Nem que tempo usam para treinar tanta sabedoria, os eles todos, esses que não fariam nada daquilo, que diriam tudo na cara e nunca, jamais teriam algum traço de dúvida.

Como será que se aprende sem o furo, sem a parte escura dos dias, sem as alegrias de um remendo bem feito? Qual virtude existe na canela sem cicatriz? Não há glória na derrota, mas pode ser…

View original post 296 more words

Standard

Um

Mariel Fernandes

Imagem

 

Fiquem em seus postos. Amores precisarão de portos antes de singrar seus amares. Se mantenham atentos, será permanente o desafiar dos deuses e implacável o rugir das tempestades. Não desistam, mesmo que inexistam horas amenas. Mesmo que existam poucos momentos amáveis ou porque tudo dá a impressão de que tudo é descartável. Lado a lado, estão o amor, as canções, os ditadores, os dragões, sapos e princesas, a escuridão implacável e as poucas luzes acesas. Vejam os limites da imensidão, o sim, o não, a legião da boa ou da má vontade. Lutam nesse momento efêmero e eternidade e teremos que decidir o destino das nossas mentiras e entender a origem das nossas verdades. Vamos precisar, mesmo sendo impreciso o navegar, correr os riscos de reabrir os portos, contar os mortos e prosseguir. E se antes nosso perigo era desconhecer profundeza oceânica, agora o que ameaça a raça humana…

View original post 64 more words

Standard

Mímica do cio

Poemasemfoco

Folhas se desprendendo de uma árvore

Que sofreguidão!
Meus pais a um pé do abismo
O filho cresce sem minha mercê

Pra que saber de escuridão?
Os olhos dele serão mar
Quando os meus forem sertão!

Nada que eu esboce ou faça
Será redimido ou retratação
À peneira vazam estrelas claras
Retém-se um escuro com poucos de vãos

Na sala onde moro
Um espelho, bafos de fantasmas
E estranhas letras feitas à mão

O espírito se rasga qual pano roto
Aos poucos
Aos poucos

Ouve-se o som da madeira crepitando
Descubro: são meus pobres ossos
Se queimando
De remorso

Vivo desconheço estranho
Quem se desenha no espelho. Um espanto
Tentando dirimir palavras não feitas
E tantas perguntas retóricas
Na sala alegórica

Amo em torvelinhos de outonos
Ponho uma reticência pavorosa
Imprecisão de fumaça em renitência
De se fazer ou desfazer

[Tanto espaço: pra quê?]
Meus olhos estão num corredor
Longo estreito com cotovelos
De ser, ir…

View original post 80 more words

Standard